domingo, 29 de março de 2015

Paneleiros e Coxinhas se calam diante da Operação Zelotes e SwissLeaks





A Operação Zelotes, realizada na quinta-feira 26 por diversos órgãos federais visando desbaratar uma quadrilha que, em conluio com grandes empresas do país, buscava dar sumiço em débitos tributários beneficiando assim gigantes de vários setores da economia como Bancos, Montadoras, Alimentação e Grupos de Mídia, promete fortes emoções.
















A magnitude do escândalo não deixa dúvidas. Perto dele, todos os badalados escândalos - anabolizados pela mídia para atingir o Governo federal - tornam-se irrisórios, em relação aos valores envolvidos. Estima-se que perto de 19 bilhões de Reais em tributos podem ter sido simplesmente deletados dos registros da Receita Federal. Deste montante, os investigadores estão convencidos de que 5,7 bilhões foram ilegalmente “desaparecidos” nos processos já encerrados.

Mas o que mais salta aos olhos é a reação da grande mídia e de parcela da opinião pública, especialmente aquela que anda batendo panelas em apartamentos de classe média/alta pelo país.

Numa obediência quase canina à perplexidade e discrição da grande mídia ao tratar deste caso, os paneleiros de plantão calam-se de forma vergonhosa diante de um escândalo, este sim, capaz de mudar toda a cultura do país no que se refere ao combate à corrupção. Continuam pateticamente apegados a Operação Lava Jato, que investiga corrupção na Petrobras, desde que as investigações limitem-se a determinado período de tempo e apontem apenas para políticos da base aliada do Governo.

Torna-se cada vez mais evidente que aos paneleiros, o que menos interessa é a erradicação da corrupção no Brasil. Todo o discurso moralista desta turma tem como único objetivo atingir o Governo Federal e o Partido dos Trabalhadores. Até porque, os esquemas corruptos fazem parte de sua cultura e é ferramenta fundamental para a manutenção do status quo desta elite que demonstra inequívoca fobia a ascensão das classes historicamente menos favorecidas. Os esquemas corruptos não lhes servem apenas para embolsar mais dinheiro. Servem também para criar uma reserva de mercado artificial que beneficie sempre os mesmos grupos e seus agregados.

A expectativa agora é saber se os órgãos envolvidos conseguirão concluir as investigações com isenção, uma vez que muitos deles encontram-se contaminados e comprometidos com a agenda golpista deste grupo que tenta, das formas mais escusas, voltar ao poder.

Quanto aos paneleiros, é chegada a hora que afogá-los em suas próprias contradições. Não apenas a Zelotes, mas também o SwissLeaks, tem deixado essa turma desconcertada e calada. Precisamos dar visibilidade aos fatos. Nunca antes um governo teve a coragem de expor as vísceras destas práticas que vem corroendo não só a economia, mas a cultura política do país. A reação será desesperada, mas como disse a Presidenta Dilma, "Não vou deixar pedra sobre pedra".



Um comentário:

mario magalhães disse...

Ouço vez por outra em conversas informais nos mais diferentes lugares que a "roubalheira" faliu a PETROBRÁS. Certamente este sentimento prospera diante notícias divulgadas pela mídia em sua totalidade.
Nem aqui vejo um só comentário repudiando este fato noticiado publicamente.
O que acontece com nossa sociedade?