terça-feira, 18 de setembro de 2018

Rússia culpa Israel pela derrubada de seu avião EW (ATUALIZADO 2 xs)

18/9/2018, The Saker, The Vineyard of the saker


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



Basicamente: quatro aviões de Israel foram mandados em missão de bombardeio contra alvos próximos de instalações dos russos em Khmeimim e Tartus (só até aí, já é ato de simultaneamente estupidez e temeridade). Os israelenses *deliberadamente* não avisaram os russos até o último minuto antes do ataque, de modo que os russos não tiveram tempo de alertar a tripulação do avião Il-20 armado com equipamento eletrônico, que fazia a aproximação para um pouso, para que se afastasse da área. Quando o S-200 sírio disparou seus mísseis para interceptar os mísseis de Israel, os F-16 usaram o Il-20, que tem figura muito maior no radar, para se esconderem. Os mísseis sírios atingiram o avião russo, o que resultou em 15 mortos e um avião destruído.

Típica ‘esperteza’ de israelenses.

O Ministério da Defesa da Rússia culpou os israelenses por todo o incidente e declarou o ataque “vil e covarde” [ing. dastardly], as ações dos israelenses, “hostis”, e disse que a Rússia “reserva-se o direito” de responder com “contra-ações adequadas”.

É uma dessas raras oportunidades quando há, me parece, opção viável e lógica para responder: dizer aos israelenses que, doravante, qualquer aeronave de Israel que seja detectada em área próxima ou em aproximação de quaisquer forças russas será derrubada.

Os russos responderão assim?

Duvido. Por quê? Por causa da poderosa 5ª coluna pró-sionismo que há na Rússia.

Tenho certeza de que os militares russos adorariam tomar essa medida, mas, infelizmente, estão limitados pelos 5ª-colunistas no governo russo.

Vamos esperar. Se os russos nada fizerem, será interessante ver como os que negam que haja uma 5ª coluna pró-sionistas na Rússia explicarão a ‘inação’ dos russos.

[assina] The Saker

PS: O único efeito positivo dessa tragédia é que a opinião pública russa se afastará ainda mais de qualquer boa vontade com os israelenses (contra os interesses da incessante propaganda pró-sionismo em grande parte da mídia comercial russa).

ATUALIZAÇÃO 1: Pronto, começou. Putin já está ‘diminuindo’ a gravidade do que aconteceu. Disse só que o “jato israelense não derrubou nosso avião” e falou de “trágicas circunstâncias”. Ok. É verdade que acrescentou que os russos tomarão medidas que “todos verão”, mas eu, pessoalmente, tenho minhas dúvidas sobre esses “passos”. Espero estar errado. Logo saberemos.

ATUALIZAÇÃO 2: Estou assistindo à mídia russa e sou obrigado a reconhecer que os propagandistas sionistas (liberais russos e comentaristas judeus) estão em estado absolutamente *lastimável*: desesperados, tentando jogar a culpa sobre qualquer um que apareça (os sírios, o Hezbollah e até os russos). Qualquer um, exceto Israel. Sabem do estrago que já se observa na opinião pública russa.*******

7 comentários:

Unknown disse...

Era inevitável?

Celso Pimenta disse...

Como grande admirador da Rússia e, particularmente do Presidente Putin, estou decepcionado com a resposta dele ao ataque traiçoeiro e covarde da aviação da entidade sionista. O embaixador russo deveria ser chamado a Moscou, a autoridade sionista ser advertida que as aeronaves militares sionistas serão atacadas se se aproximararem das bases russas e fazer uma larga distribuição de antimísseis S-300 e S-400 próximo à fronteira israelense, sem prejuízo de outras providências drásticas.

hilario muylaert disse...

Putin sob pressão.

Já passou da hora de Israel sofrer um corretivo-dano muito considerável.

O que se passa, realmente ???

Anônimo disse...

Sem represálias RÚSSIA, sim! Mas qual é a Linha Vermelha do Sr. PUTIN e de seus ministros militares? Gostaria que fosse feita alguma reportagem com opiniões destes ministérios para que se pudesse fazer algum juízo de valores , até essas coisas irão parar.

Dario Alok disse...

a questão é que é exatamente isso que esperam que ele faça. Que retalie... mais uma vez Putin não mordeu a isca, mas precisa calibrar melhor sua resposta para que não pareça fraco. Ele precisa manter sua base de apoio dentro da Russia e internacionalmente. Situação dificílima...

Ora Hora disse...

Chego a pensar se o míssil seria mesmo um s-200. Se fosse um ar-ar de um caça israelita a intervenção de Putin, seria sempre desdramatizando este grave incidente para não escalar o conflito Sírio. Afinal a Síria aproxima-se, talvez, da sua fase mais delicada e decisiva e Putin pretende continuar a jogar... e a ganhar.

Pedro Henrique Passos disse...

Vou com o Alok.
Vejam esse artigo do Tony Cartalucci que vai numa linha oposta ao de Paul Craig Roberts:

http://noticia-final.blogspot.com/2018/09/siria-e-russia-maneira-certa-de-vingar.html