segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Churchill e o discurso infame que inventou a Cortina de Ferro

J. V. Stalin responde a Churchill, Março de 1946, in marxists.org


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu




Dia 5 de março de 1946, Winston Churchill pronunciou o discurso infame "Cortina de Ferro", em Fulton, EUA. Pouco depois, Stálin foi entrevistado sobre o que responderia àquela fala. Compreensivelmente, Stálin estava pasmo, porque vários acordos haviam sido assinados para organizar a cooperação pacífica no pós-guerra. Dentre outras coisas, Stalin observou:

Mr. Churchill e seus amigos são estranhamente muito parecidos com Hitler e os amigos dele. Hitler começou o serviço de desencadear a guerra proclamando uma teoria racista, pela qual só os que falassem alemão teriam constituído nação superior. Agora, Mr. Churchill se apresenta para desencadear a guerra dele, também com uma teoria racista, pela qual só os que falassem inglês seriam nação superior, coroada para decidir sobre os destinos de todo o mundo. 
A teoria racista alemã levou Hitler e seus amigos à conclusão de que os alemães, porque seriam a única nação superior, deveriam governar as demais nações. A teoria racista em inglês leva Mr. Churchill e amigos à conclusão de que os povos falantes de inglês, absolutamente excepcionais, é que devem governar o mundo inteiro.
Verdade é que Mr. Churchill e seus amigos na Grã-Bretanha e nos EUA apresentam às nações que não falam inglês em todo o mundo, algo semelhante a um ultimatum: ‘Aceitem voluntariamente nosso jugo, e tudo ficará bem; se não, a guerra é inevitável...'
Mr. Churchill diz que 'Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapeste, Belgrado, Bucareste, Sofia – todas essas cidades famosas e a população em torno delas estão dentro da esfera soviética e expostas de um modo ou de outro, não só à influência soviética, mas em alto e crescente grau, também são controladas por Moscou.' Mr. Churchill descreve tudo isso como 'tendências expansionistas ilimitadas', da União Soviética. 
Não é preciso grande esforço para expor as calúnias grosseiras que Mr. Churchill lança sem-cerimônias contra Moscou e estados acima citados, à beira da URSS.
Para começar, é absurdo falar de controle exclusivo, pela URSS, em Viena e Berlin, onde há Conselhos de Controle Aliado constituídos de representantes dos quatro estados, e nos quais a URSS tem ¼ dos votos. É que há gente que não consegue não mentir. Mas tudo tem limite.
Em segundo lugar, não se deve esquecer o seguinte.
Os alemães invadiram a URSS vindos da Finlândia, Polônia, Romênia, Bulgária e Hungria. Os alemães conseguiram invadir a URSS por esses países, porque, naquele momento, havia ali governos hostis à União Soviética. Resultado da invasão alemã, a União Soviética foi derrotada na luta contra os alemães, e padeceu sob a ocupação alemã. Um total de 7 milhões de cidadãos soviéticos foram deportados para a Alemanha obrigados a trabalhar como servos. Em outras palavras, a União Soviética perdeu mais vidas que Grã-Bretanha e EUA somados. 
É possível que em alguns círculos observe-se forte tendência a esquecer os sacrifícios colossais que o povo soviético fez para que a Europa fosse salva das garras dos hitleristas. Mas a União Soviética não pode esquecer. Assim sendo, o que haveria de surpreendente em a URSS, ansiosa para preservar a própria segurança futura, querer obter a lealdade dos países que a cercam? Quem, em sã consciência, chamaria as aspirações pacíficas da URSS de 'tendências expansionistas'? 
Mr. Churchill prefere que a Polônia fosse governada por Sosnkowski e Anders, a Iugoslávia por Mikhailovich e Pavelich, a Romênia pelo príncipe Stirbey e Radescu, Hungria e Áustria por algum daqueles reis da Casa dos Habsburgos e assim vai. Mr. Churchill tenta nos tranquilizar: aqueles cavalheiros, criados no quintal fascista, serão autênticos democratas.
A 'democracia' de Mr. Churchill é burla desse tipo .*****





2 comentários:

Anônimo disse...

Excelente

Roberto Machado Cassucci Cassucci disse...

Pois é, Mais Uma Prova (documental esta) Insofismável, da Magnificência do MAIOR LÍDER Mundial do "Entre Guerras" (Enquanto esteve Amo e senhor, Peno e Absoluto, de Vossas Brilhantes e Perfeitas Capacidades Mentais [antes de sua "infeliz enfermidade psicótica])"Joseph STALIN, foi Indubitavelmente, O Grande Estrategista Responsável pela Derrota e Capitulação do Nazifascismo...
A "Tentativa Ocidental" em "Desqualificar" á qualquer preço e custo "O Vulto de Stalin", deve ser Devida e Precisamente Alocadas á Porca Politica(na)lha de Estados, Estes Sim, de viés Imperialistas/Expansionistas...