sábado, 31 de março de 2018

EUA aceitarão a derrota ou desafiarão o Urso Russo e o Dragão Chinês? Parte 3: China & a Visão Global

28/3/2018, Elijah Magnier Blog, Damasco, Síria


Parte 1: RELATÓRIO DE SITUAÇÃO, Síria (ing. e Blog do Alok)
Parte 2: Rússia & o Oriente Médio (
ing. e Blog do Alok)


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu




A Rússia apresentou a China à Síria durante a guerra, quando a Marinha chinesa chegou ao Mediterrâneo e foi até o litoral de Tartus e Lattakia, enviando uma mensagem aos EUA e aliados, de que estava acabada a dominação monolítica dos EUA sobre o mundo.

Há milhares de jihadistas chineses que lutaram com ISIS e al-Qaeda, e Pequim preocupava-se, interessada em assegurar que não saíssem vivos da Síria. Assim se estabeleceu a cooperação entre os serviços de inteligência sírio e chinês. Damasco era banco de dados inigualável, com rica informação sobre combatentes de várias nacionalidades, aos quais muitos países do mundo gostariam de ter acesso, dado que mais de 80 nacionalidades foram postos dentro da Síria, sempre como parte do esforço para derrubar o regime e implantar um Estado Islâmico.

Mas Washington ainda protege a própria posição, recusando-se a entregar a coroa da dominação mundial que lhe pertenceu por mais de uma década; hoje se apronta para lutar contra "o eixo que se opõe aos EUA" usando outros meios fora da Síria. O establishment dos EUA e aliados está expulsando diplomatas russos e impondo sanções à China e ao Irã. Impossível não ver o quanto a derrota na Síria é dolorida para os EUA.

O que Washington está fingindo que não vê é que o mundo já não acredita nos 'músculos' militares dos EUA; e que há dois países, menos arrogantes, mais interessados em construir alianças reais, muito mais do que atormentar países mais fracos: Rússia e China. E esses países estão colecionando mais aliados, hoje, contra o eixo norte-americano belicista.

Os EUA ainda vivem na era de 1991, quando a União Soviética colapsou. O forte declínio continuou, até que o presidente Putin chegou ao poder em 2000. Washington afinal se deu conta de que há outra pessoa no Kremlin, no castelo dos czares, com a intenção determinada de restaurar aquela perdida glória. Naquele tempo, a Rússia só tinha armas nucleares e nada mais. Hoje o urso russo quer muito acordar dessa longa hibernação.

Putin absolutamente não declarou guerra aos EUA; em vez disso, estendeu a mão e tentou construir relações produtivas ou, no mínimo, relações que não fossem de inimizade. Mas Washington viu que Moscou tinha alta possibilidade de se recuperar rapidamente, em uma, duas décadas, e pôs-se a trabalhar para desacelerar o processo e, sendo possível, interrompê-lo completamente. 

Por isso os EUA começaram a puxar para o lado deles vários países que integraram a União Soviética e que se declararam independentes; rapidamente os incluíram na OTAN e na União Europeia, para cercar a Rússia.

China, que inclui mão de obra barata e pode clonar absolutamente qualquer tecnologia comercial ou militar, também percebeu, como a Rússia, o medo que seu rápido crescimento econômico e imensa riqueza inspiravam aos EUA. 

Pode-se dizer portanto que a aproximação China-Rússia foi induzido, principalmente, pela política agressiva dos EUA contra os dois países e, isso, sobretudo, porque os EUA só mobilizam o músculo militar – exista ou não, forte ou fraco – em todos os seus relacionamentos com o mundo.

Washington focou suas forças navais em controlar o Mar do Sul da China e o Estreito de Malaca, acordando lembranças da presença militar dos EUA durante a 2ª Guerra Mundial, como tentativa de aumentar a pressão sobre Pequim. Os EUA sabem de sua superioridade naval e sabem que a China precisa do mar para comércio e para receber seu suprimento de energia.

Organização de Cooperação de Xangai


Para se proteger, a China começou por estabelecer a Organização de Cooperação de Xangai, organização política e econômica eurasiana, em junho de 2001, com o objetivo, também, de promover iniciativas econômicas, aumentar a cooperação militar e para ações de contraterrorismo, com partilha de inteligência. Essa Organização cobre metade da população total do planeta e os Estados (cinco dos quais são potências nucleares) de China, Rússia, Cazaquistão, Tadjiquistão, Uzbequistão, Quirguistão, Mongólia, Irã, Índia e Paquistão – e recusou os pedidos de Washington e Tóquio, interessados em participar apenas como observadores.

A China procurou os países afetados pelas políticas dos EUA, para estabelecer uma reaproximação. Além disso, estabeleceu o "Colar de Pérolas" de Estados e ilhas, para proteção marítima, e cercou Índia, Japão e outros aliados dos norte-americanos. Pelo Oceano Índico transita 60% do comércio de petróleo que sai do Oriente Médio, o que torna o Estreito de Malaca crucialmente importante, e ponto que a China tem necessariamente de proteger. Por tudo isso, Pequim estabeleceu relações com Malásia, Cingapura, Myanmar, Ilhas Coco, Bangladech, Sri Lanka, Paquistão, e já tem presença na costa africana, no Sudão e no Quênia.


"Colar de Pérolas", Índia e China (bases, portos e principais vias)

A China também fez reviver a mais antiga rota comercial terrestre que a humanidade jamais conheceu, da Dinastia Han, chamada "Rota da Seda". As modernas Novas Rotas da Seda chinesas garantirão a Pequim um linha contínua de Pequim para todo o mundo, para cuja construção estão previstos inicialmente um trilhão de dólares (distribuídos em 900 projetos independentes). As novas Rotas da Seda alcançam 11 cidades na Europa e outras na África, por ferrovias e oleogasodutos, e devem unir sete países asiáticos sob o slogan "Um Cinturão, Uma Estrada". Garantirá gás e comércio à China e cobrirá 70% da população do planeta.

Mapa: Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE)

A China é também parte do grupo BRICS, estabelecido em 2009 e que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, responsável por 40% da produção mundial.

Figura: Situação dos países BRICS

E finalmente, mas nem por isso menos importante, em 2013, a China apresentou o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura ('Banco Mundial Asiático'), BAII, constituído para atingir a espinha dorsal dos EUA, dado que reúne 57 países – entre os quais vários Estados europeus –, mas exclui EUA e Japão, eterno aliado dos EUA.

Ilustração: O 'Banco Mundial Asiático'




O BAII – com capital de $100 bilhões – foi constituído para que as iniciativas da China possam operar sem estarem submetidas ao controle financeiro dos EUA, que se estende a praticamente toda a economia mundial. Washington considerou esse movimento como provocação. De fato, é movimento que confessadamente visa a começar a construir meios para escapar ao controle econômico e financeiro que pertenceu aos EUA, sobre todo o planeta, durante décadas.

Com suas sanções superficiais mas continuadas, Washington acredita que conseguirá impedir que se crie a União Eurasiana (que começa no Oceano Atlântico e vai até o Oceano Índico, incluindo seis grandes estados, e onde está hoje ¾ da energia do planeta), criar problemas para a Rússia e perturbar gravemente a China.

Além disso, os EUA também consideraram a possibilidade de criarem uma "OTAN do Oriente Médio", para enfrentar o "Crescente Xiita" e a "ameaça iraniana". A ideia foi destruída depois da desastrada guerra que a Arábia Saudita fez contra o Iêmen, e porque os países do Oriente Médio parecem incapazes de se unir politicamente, economicamente ou militarmente.

Ao mesmo tempo em que os EUA combatem e são derrotados na Síria, muitos países que rejeitam a hegemonia dos EUA vão reunindo, num tipo de associação, ou noutro. Há cooperação entre esses países – como vimos –, porque a muitos interessa verem-se livres da arrogância, da dominação e da política exterior destrutiva de Washington.

Os EUA acreditam no 'recurso' de derrubar governos e 'mudar regimes' e diretamente – ou recorrendo a agentes 'locais' – ocupar e controlar outros países e impor-lhes pesada taxa 'de proteção', à maneira da Máfia, para não derrubarem monarquias no Oriente Médio (como a Arábia Saudita, o que o próprio Donald Trump declarou, com todas as letras). O establishment dos EUA também manipula a juventude, que explora, sob a designação de "ativistas da liberdade", e manda para trabalhar em estados que interesse aos EUA destruir (como se viu na Líbia e vê-se ainda na Síria e no Iraque).

Os EUA estão instalando mísseis por todo o planeta onde instalam suas bases militares. Em nenhum caso se tem notícia de os EUA usarem o próprio poder, energia e riqueza para apoiar economias locais e a paz. Aos EUA só interessa controlar os estados e as fontes de energia, indiferentes às consequências, porque até hoje ninguém jamais pediu contas aos EUA pela desgraça que promovem pelo planeta.

Mas o fracasso já se vê por todos os lados: Washington não conseguiu – como o General Wesley Clark, general de 4 estrelas aposentado do Exército dos EUA, comandante supremo dos aliados na OTAN, durante a Guerra da Iugoslávia, em 1999, disse que os EUA conseguiriam – ocupar sete países (Irã, Iraque, Síria, Líbano, Líbia, Somália e Sudão). E os EUA fracassaram também no Afeganistão, Iraque e Síria, porque em todos esses casos os norte-americanos subestimaram a reação e a resistência contra sua política exterior.

Mas, sim, os norte-americanos foram bastante bem-sucedidos na missão de implantar o ódio entre as populações muçulmanas; de reverter o objetivo da al-Qaeda (a meta de atingir o inimigo longínquo, i.e. os EUA) e substituí-la pelo ISIS (cuja meta é atingir o inimigo próximo, i.e. minorias e outros muçulmanos); de fazer reviver a animosidade entre muçulmanos, adormecida há 1.400 anos. Hoje a maioria da população do ocidente crê que, no Oriente Médio, a guerra trava-se "entre muçulmanos. Que se matem! Quem se importa?!"

Enquanto os EUA vendem $110 bilhões em armas à Arábia Saudita para matar mais iemenitas e ameaçar os vizinhos (Qatar, Síria e Irã), a Rússia assinou contratos de dez anos com a China, totalizando 600 bilhões de dólares, e com o Irã, no total de 400 bilhões de dólares. A China também assinou contratos no total de outros 400 bilhões de dólares. Esses contratos visam à cooperação econômica e negócios de energia; no conjunto, prometem grandes avanços econômicos para esses países e respectivas populações, bem afastados do domínio pelos norte-americanos.

Os EUA creem que possam encurralar Rússia, China e Irã: a Rússia tem 7.000 quilômetros de fronteiras com a China; o Irã não é o Iraque; e a Síria não é o Afeganistão. 

Na Síria vimos consumar-se o destino do velho mundo governado pelo unilateralismo norte-americano. Aquele mundo está acabado. O planeta caminha agora rumo ao pluralismo e ao multilateralismo.

A questão que permanece é: estará Washington preparada para aceitar a derrota, reconhecer que seus tempos de hegemonia chegaram ao fim e retirar-se rapidamente da Síria?*****


3 comentários:

Roberto Machado Cassucci Cassucci disse...

Rapaz!!! Como essa fantástica narrativa Geopolítica, explica á perfeição, o interesse e a urgência (estadunidense), na súbita e dramática "quebra da Soberania no Brasil"...
E ainda hão os manifestoches, que creem que a ruptura na Democracia, das Políticas dos Governos Progressistas (GolPeachement), ocorreram através dos "mais pudicos" anseios de justiça e anti-corrupção, exatamente no âmago dos Poderes Judiciário, Legislativo, do 4ºPoder...

Raimundo Boaventura disse...

Somente os obtusos de massa crítica crêem nos motivos apresentados para a criminosa destituição da mandatária brasileira. Após a aproximação do Brasil aos países contra hegemon, a máquina estadunidense de derrubar governos apontou suas armas para o Brasil, contando com uma elite predatória e apátrida. É emergente a retomada do poder por forças nacionalistas e multilateral nas políticas geoestratégicas, sob pena de voltarmos a ser um mero entreposto das corporações empresariais das economias dominantes.

Anônimo disse...

É muito difícil o Brasil retomar. Os governos brasileiros de esquerdas cometeram um erro crasso: empoderar demasiadamente o setor mais atrasado e burocratizado do país, o Judiciário. Agora, é caminhar para transformar o Brasil em um grande cartório do ponto de vista institucional e um grande celeiro do ponto de vista comercial.

Quem quiser fazer alguma coisa mais inteligente corre o risco de ser abatido pelos senhores cartoriais (juízes e desembargadores). Só vejo uma única saída para implodir esse sistema arcaico brasileiro: a fragmentação territorial.

No mais, meu elogios e agradecimentos ao Blog pela excelente matéria e sua tradução.