quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Nord Stream-2: Funeral das potências de passagem





Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu


O gasoduto "Nord stream-2" [Ramo Norte 2] finalmente fará da Alemanha o principal parceiro da Gazprom russa na Europa. Ucrânia, Polônia e os estados do Báltico, inspirados na luta pela independência frente ao gás russo, recusaram voluntariamente aquele papel.



Outro dia, Kiev recebeu a explicação de por que o novo gasoduto russo sob o Mar Báltico será implementado, apesar de Kiev opor-se tanto: "Quando dizemos que não seria projeto econômico, mas puramente projeto político que teria como alvo a Ucrânia, todos esquecemos que o projeto envolve empresas europeias. A Gazprom tem só 51%" – disse à European Truth uma fonte na Comissão Europeia envolvida nas negociações com a "Gazprom".

Em outras palavras, cada vez que se falar que Moscou está castigando Kiev com o porrete do gás, que todos lembrem que Londres (Shell), Amsterdã (Shell), Berlim (E. ON, BASF/Wintershall), Paris (ENGIE) e Viena (OMV) são cúmplices no mesmo espancamento.

Além do mais, a fonte do jornal online sugeriu que Kiev não seria vista com muita simpatia entre os principais países da UE. A causa disso seria a real falência da "Naftogaz". E parceiro falido, numa mesma rota de trânsito, é parceiro pouco confiável – motivo pelo qual a Rússia encontra tão significativo apoio na Europa.


"Nord stream-2" tem apoios na associação Eurogas, que reúne 44 empresas de gás da Europa. "Por estranho que pareça, entregas diretas de gás, da Rússia à Alemanha pelo fundo do Mar Báltico não contradizem a política comum de energia da União Europeia e, sim, a apoiam. O gás que chega à Europa contornando Ucrânia, Bielorrússia e outros países chega à Alemanha – país com alta competência, mercado livre. O gás pode ser fornecido a preços competitivos, inclusive à Europa Oriental" – disse recentemente o presidente da Eurogas, Gertjan Lankhorst


Enquanto isso, a Europa Oriental, imersa na luta contra a "Gazprom", acabou presa num verdadeiro laço de servidão, aos produtores de gás natural liquefeito.

A Lituânia, que há um ano adquiriu um terminal móvel para gás natural liquefeito para [o porto de] Klaipeda, surpreendeu-se ao descobrir que o gás que vem da Noruega é 1,5 vezes mais caro que o russo. E até tentou ajustar suas obrigações contratuais. Ainda mais surpresos ficaram os poloneses, que também compraram terminal para gás natural liquefeito –, ao verificar que o preço do gás que vem do Qatar é duas vezes superior ao da odiada "Gazprom". Esses dois países têm contratos por 20 anos, que incluem o princípio "pegue ou pague".

Recentemente foi assinado um contrato para construção de um gasoduto entre Polônia e Lituânia. A Comissão Europeia anunciou que seria obra prioritária e alocou 300 milhões de euros. Presumivelmente, em poucos anos Polônia e Lituânia terão oportunidade de vender uma à outra os excedentes daquele gás caríssimo. O que estão tentando provar ao mundo é, para mim, impenetrável mistério.

Mas agora a "Gazprom" recebeu um bom argumento a seu favor, no litígio sobre preço injusto. Eles podem, sim, pagar! E até muito mais do que à Rússia.

Aplica-se, certamente, também à Ucrânia. Se Kiev está pronta a comprar gás reverso e pagar preço mais alto, evidentemente o argumento sobre o preço 'caro' cobrado pela "Gazprom" perde o sentido.

Simultaneamente, a implementação do gasoduto "Nord stream-2" começa a tomar formas tangíveis. O grupo italiano "Intesa Sanpaolo" já manifestou interesse em participar no financiamento do projeto e na questão seguinte dos Eurobônus da "Gazprom". O grupo já tem experiência com os seguros do monopólio russo. "O últimos 1 bilhão de euros emitidos desapareceram instantaneamente, num segundo, com a demanda correspondendo ao dobro da quantidade de Eurobônus", – disse a RIA Novosti o presidente do Conselho de Diretores do grupo "Banca Intesa", Antonio Falicco.

O presidente da Eurogas entende que é erro converter a questão do gás em tema político. Avaliando novos projetos para transportar gás russo para a Europa, é preciso pensar, sobretudo, que é significativo investimento na infraestrutura do Velho Mundo, não que se trata de reforçar o poder russo no mercado do "combustível azul". Gertjan Lankhorst não concorda com os que entendem que a "Gazprom" seria um monopólio dado que apenas alguns poucos países na Europa dependem desse gás.

É pouco provável que Ucrânia ou os países Bálticos ouçam a opinião de especialistas que sabem contar dinheiro e não auferem dividendos políticos a cada declaração altissonante. Afinal, a luta contra a "Gazprom" é tãããão emocionante (e tão distanciada da economia real).




Depois de 2019, depois de encerradas as solenidades do funeral das grandes potências de trânsito [de gás], todas terão de optar entre comprar gás na Alemanha ou na Rússia. Na Rússia, claro, o gás será mais caro. Mas não é impossível que a mesma Polônia prefira o gás russo, vindo do ocidente, não do oriente. Ser independente do bom senso não sai barato.

A Rússia não está preocupada. Nos dois casos, receberemos nosso dinheiro.*****

Um comentário:

abdel hak mahmoud disse...

Are there still some methods that may prevent the prevention of the presence of these facilities in situ?
مكافحة حشرات بالخرج

مكافحة حشرات بالقصيم

All rights reserved to the Middle East Center for Housing and Employment
مكافحة حشرات بحائل

مكافحة حشرات بالطائف

https://albetalasry-cleaning.com