terça-feira, 1 de março de 2016

Por que os árabes não nos querem na Síria

22/2/2016, Robert F. Kennedy, Jr., Politico (revista online)

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

"Artigo notável, realmente um tour de force, vem assinado por Robert F. Kennedy, Jr., e foi publicado na revista online Politico.com. Considerando o autor, que claramente sempre publicou e continua a publicar na grande mídia impressa norte-americana, o fato mais relevador de o quanto é importante esse artigo é que só foi publicado num veículo online e ainda não foi comentado por nenhum dos 'comentaristas' dos grandes veículos impressos ou televisionados."

("Surgiu afinal uma brecha, na muralha erguida para esconder a verdade sobre a Síria?"
[ing. 
Is There A Crack in the Dam Holding Back the Truth on Syria?],
26/2/2016, JiminNH, The Vineyard of the Saker).

ATENÇÃO: Excluímos do texto abaixo todos os adjetivos que surgem repetidos como se fossem 'colados' ao nome do presidente Assad ('tirano', 'ditatorial', 'violento', 'assassino') e também outros, que parecem 'colados' ao nome do presidente Putin ('autoritário', 'pró-soviéticos', 'matador do próprio povo'). Foi censura que nos pareceu recomendável e inescapável, para que, por causa dessas tolices, não se perdesse toda a importante informação que, sim, também há nesse artigo [NTs].
_____________________________________________




Em parte porque meu pai foi assassinado por um árabe, fiz esforço especial para compreender o impacto das políticas dos EUA no Oriente Médio e especialmente os fatores que às vezes motivam respostas sangrentas do mundo islâmico contra nosso país. 

Se nos focamos no surgimento do Estado Islâmico e na busca pela fonte da selvageria que roubou tantas vidas inocentes em Paris e em San Bernardino, logo se é levado a querer ver mais, por trás das explicações de conveniência, que falam de religião e de ideologia. É preciso examinar os argumentos mais complexos, da história e do petróleo – e o modo como eles muito frequentemente apontam o dedo da culpa de volta para cá, para as nossas próprias praias.

O impalatável currículo dos EUA de intervenções violentas na Síria – tão amplamente ignorado pelo povo norte-americano, mas muito bem conhecido do povo sírio – criou solo fértil para o jihadismo islamista violento, que hoje complica qualquer resposta efetiva que o governo dos EUA dê ao desafio que é o chamado Estado Islâmico, ou ISIL. Enquanto a opinião pública e os políticos nos EUA continuarem ignorantes daquele passado de nosso país, devem-se esperar mais e mais intervenções norte-americanas, que só complicarão a crise cada vez mais. 

Essa semana o secretário de Estado John Kerry anunciou um cessar-fogo "provisório" na Síria. Mas, dado que o prestígio e a consideração de que os EUA gozam na Síria são praticamente zero –, e porque o cessar-fogo não inclui combatentes chaves como Estado Islâmico e Frente al-Nusra –, o mais provável é que não passe de trégua turbulenta, no melhor dos casos. 

Assim também o presidente Obama, o mesmo que ordenou a intervenção militar ilegal na Líbia – semana passada ataques aéreos dos EUA atingiram um campo de treinamento do Estado Islâmico – só conseguirá fortalecer, em vez de debilitar, os radicais. Como o New York Times noticiou em matéria de capa dia 8/12/2015, os líderes políticos e estrategistas do Estado Islâmico já estavam trabalhando para provocar intervenção dos EUA. Porque sabem, pela experiência, que basta intervenção dos EUA naquele conflito, para que aumente o fluxo de voluntários para alistar-se nas fileiras deles, para calar as vozes da moderação e para unificar todo o mundo islâmico contra os EUA.

Para compreender essa dinâmica, é preciso observar a história do ponto de vista dos sírios e examinar, particularmente, as sementes do atual conflito. Muito antes de os EUA invadirmos e ocuparmos o Iraque em 2003, ocupação disparada pelo levante sunita, que hoje já está metamorfoseado em Estado Islâmico, a CIA divulgou e alimento o jihadismos mais violento, como arma da Guerra Fria; assim, a CIA carregou as relações EUA-Síria com bagagem a mais tóxica.

Nada disso aconteceu sem controvérsia e resistência dentro dos EUA. Em julho de 1957, depois de um golpe fracassado na Síria, atentado pela CIA, meu tio, [então] senador John F. Kennedy, enfureceu a Casa Branca de Eisenhower, os líderes dos dois partidos e nossos aliados europeus, com um discurso de importância histórica inestimável,[1] no qual afirmou e apoiou o direito de autodeterminação e autogoverno no mundo árabe, pregando que se pusesse fim à intromissão imperialista dos EUA em países árabes.

Ao longo de toda a minha vida, especialmente nas minhas frequentes viagens ao Oriente Médio, incontáveis cidadãos árabes relembram aquele discurso que, para eles, teria sido a mais clara afirmação do idealismo que esperavam encontrar nos EUA. O discurso de Kennedy foi uma convocação para que os EUA se reancorassem aos valores tradicionais de nosso país, registrados na Carta do Atlântico; a promessa formal de que todas as ex-colônias europeias teriam o direito a autodeterminação depois da 2ª Guerra Mundial. Franklin D. Roosevelt forçou Winston Churchill e outros líderes aliados para assinassem a Carta do Atlântico em 1941, como precondição para que os EUA apoiassem a guerra da Europa contra o fascismo.

Mas, graças em grande parte a Allen Dulles e à CIA, cujas intrigas de política externa tão frequentemente tomaram rumo exatamente oposto às políticas que os cidadãos norte-americanos desejávamos e votávamos; a trilha de decência humana e política traçada na Carta do Atlântico foi, precisamente, a trilha jamais trilhada. Em 1957, meu avô, embaixador Joseph P. Kennedy, participou de comissão secreta encarregada de investigar a intromissão clandestina da CIA no Oriente Médio. O chamado "Relatório Bruce-Lovett", do qual meu avô foi signatário, descreveu golpes da CIA na Jordânia, Síria, Irã, Iraque e Egito, ações que eram plenamente conhecidas na rua árabe, mas virtualmente ignoradas pelo povo norte-americano que acreditava, de boa fé, no que lhe diziam, na direção contrária, os seus próprios governantes. 

O relatório culpava a CIA pelo crescente anti-norte-americanismo que então, como por 'milagre' deitava raízes "em grande número de países, hoje". O Relatório Bruce-Lovett Report destacava que aquelas intervenções dos EUA, à parte serem ilegais, andavam na via absolutamente contrária dos valores norte-americanos, e já haviam comprometido a liderança internacional dos EUA e a autoridade moral do país, sem que o povo norte-americano soubesse de coisa alguma. O mesmo relatório também dizia que a CIA jamais considerou como o povo dos EUA reagiria se algum governo estrangeiro se empenhasse para fazer aqui, o que os EUA tanto se empenham em fazer em outros países.

Essa é a história sangrenta que intervencionistas no século 21, como George W. Bush, Ted Cruz e Marco Rubio novamente apagam e fazem esquecer, enquanto vão repetindo o mantra de que nacionalistas árabes "nos odeiam por nossas liberdades". É noção que praticamente não é jamais verdade. Mas, sim, eles nos odeiam, porque nós não fazemos outra coisa que não seja trair nossas próprias liberdades e nossos ideais, lá, nos países deles.

***

Para que os norte-americanos realmente possam compreender o que está acontecendo, é importante relembrar alguns detalhes dessa história imunda, tão pouco lembrada. Durante os anos 1950s, o presidente Eisenhower e os irmãos Dulles – o diretor da CIA Allen Dulles e o secretário de Estado John Foster Dulles – rejeitaram propostas dos soviéticos, para fazer do Oriente Médio uma zona neutra na Guerra Fria e deixar que os árabes governassem o mundo árabe. Em vez disso, os EUA de Eisenhower e os Dulles construíram uma guerra clandestina contra o nacionalismo árabe – o qual, para Allen Dulles seria 'igual' ao comunismo –, ainda mais feroz quando governos árabes independentes ameaçaram as concessões do petróleo. Aqueles EUA, de Eisenhower e dos Dulles bombearam ajuda militar secreta para ajudar os tiranos que governavam Arábia Saudita, Jordânia, Iraque e Líbano, favorecendo fantoches locais que mais militassem a favor de ideologias jihadistas retrógradas, a quais, para eles, seriam antídoto confiável contra o marxismo soviético. 

Numa reunião na Casa Branca entre o diretor de planejamento da CIA Frank Wisner e John Foster Dulles, em setembro de 1957, Eisenhower aconselhou a agência: "Temos de fazer todo o possível para reforçar o aspecto da 'guerra santa'" – como se lê em memorando da reunião gravado pelo general Andrew J. Goodpaster, chefe de gabinete do presidente.

CIA começou sua ativa intromissão clandestina na Síria em 1949 – pouco mais de um ano depois de a agência ser criada. Patriotas sírios haviam declarado guerra aos nazistas, expulsaram de lá os governantes impostos pela França colonial de Vichy, e conseguiram construir uma frágil democracia secular baseada no modelo norte-americano. Mas em março de 1949, o presidente democraticamente eleito da Síria, Shukri-al-Quwatli, demorou para aprovar o oleoduto Trans-Arabian Pipeline, projeto dos EUA para interligar os campos de petróleo da Arábia Saudita aos portos do Líbano, passando pela Síria. 

Em seu livro Legacy of Ashes [Legado de cinzas], Tim Weiner, historiador da CIA, conta que, como retaliação contra a falta de entusiasmo de Al-Quwatli a favor do oleoduto dos EUA, a CIA construiu um golpe de estado para substituir al-Quwatli por ditador 'selecionado' pela própria CIA, de nome Husni al-Za’im. Al-Za’im mal teve tempo para dissolver o Parlamento e aprovar o oleoduto dos EUA, e foi deposto pelo povo sírio, quatro meses e meio depois de empossado.

Depois de vários contragolpes no país então recentemente desestabilizado, o povo sírio novamente tentou a democracia em 1955, e reelegeu al-Quwatli e seu Partido Nacional. Al-Quwatli até então fora 'neutro' na Guerra Fria, mas, depois do golpe dos EUA que o derrubara, passou a tender claramente na direção do bloco soviético. Essa postura levou o então diretor da CIA Dulles a declarar que "a Síria está madura para um golpe". E se assim o disse, pior o fez, mandando para Damasco seus dois especialistas em golpes, Kim Roosevelt e Rocky Stone.

Dois anos antes, Roosevelt e Stone haviam orquestrado um golpe no Irã, contra o presidente democraticamente eleito Mohammed Mosaddegh, depois que Mosaddegh tentou renegociar os termos dos contratos viciosos que a gigante britânica do petróleo Anglo-Iranian Oil Company (hoje, BP) tentava reimpor ao Irã). 

Mosaddegh era o primeiro presidente eleito no Irã em 4 mil anos de história e extremamente popular como pregador e defensor da democracia em todo o como então se dizia "Terceiro Mundo". Mosaddegh expulsou todos os diplomatas britânicos depois de descobrir a tentativa de golpe que funcionários da inteligência britânica estavam urdindo com a petroleira BP. Mas Mosaddegh cometeu o erro fatal de não ouvir os conselhos de seus especialistas, que vivamente recomendavam que ele expulsasse também toda a CIA, a qual, como aqueles especialistas supunham, com muita razão, era cúmplice no complô para derrubar o presidente. 

Mosaddegh idealizava os EUA como nação modelo para a nova democracia iraniana e não acreditou que os norte-americanos fossem capazes de traição tão grave. Apesar dos projetos de Dulles, o presidente Harry Truman havia probido a CIA de envolver-se ativamente com os britânicos para derrubar Mosaddegh. Quando Eisenhower chegou à Casa Branca, em janeiro de 1953, ele imediatamente tirou a focinheira de Dulles e o soltou no Irã. 

Depois de derrubar Mosaddegh na Operação Ajax, Stone e Roosevelt puseram no poder o Xá Reza Pahlavi, que favoreceu as petroleiras norte-americanas, mas cujas duas décadas de selvageria e desmandos patrocinados pelaCIA contra o próprio povo, assentado no Trono do Pavão, levariam afinal à Revolução Islâmica, que finalmente destroçaria a política externa dos EUA por 35 anos. 

Inflado pelo "sucesso" de sua Operação Ajax no Irã, Stone chegou a Damasco em abril de 1957, com $3 milhões para armar e incitar militantes islamistas e subornar militares e políticos sírios até que derrubassem o regime secularista e democraticamente eleito de al-Quwatli, como se lê em Safe for Democracy: The Secret Wars of the CIA, de John Prados. 

Trabalhando com a Fraternidade Muçulmana e milhões de dólares, Rocky Stone esquematizou o assassinato do chefe da inteligência síria, do seu chefe de gabinete e do presidente do Partido Comunista, e construiu "conspirações nacionais e várias quedas de braço e provocações no Iraque, no Líbano e na Jordânia, atentados e crimes consumados os quais, todos, foram atribuídos aos Ba’athistas sírios. 

Em Legado de Cinzas, Tim Weiner demonstra que o plano da CIA sempre foi desestabilizar o governo sírio e criar um pretexto para que a Síria fosse invadida por Iraque e Jordânia, cujos governos já estavam sob controle da CIA. Kim Roosevelt previu que o novo governo recém-instalado pela CIA governaria "primeiro por medidas repressivas e exercício arbitrário do poder", segundo documentos da CIA recentemente liberados de sigilo e publicados peloGuardian britânico

Mas nem todo aquele dinheiro da CIA foi suficiente para corromper os oficiais militares sírios. Os soldados informaram ao governo do partido Ba’ath sobre as tentativas de suborno. Em resposta, o exército sírio invadiu a Embaixada dos EUA em Damasco e capturou Stone, que foi preso. Depois de duramente interrogado, Stone confessou, pela televisão, o papel que tivera no golpe no Irã e as abortadas tentativas da CIA para derrubar governo legítimo da Síria. Os sírios expulsaram Stone e dois funcionários da embaixada dos EUA – a primeira vez que qualquer diplomata do Departamento de Estado dos EUA foi expulso e proibido de entrar em país árabe.

A Casa Branca de Eisenhower chamou a confissão de Stone de "invencionices" e "calúnias" – mentira que toda a mídia-empresa norte-americana abraçou, a começar pelo New York Times, e mentira histórica na qual o povo norte-americano foi induzido a crer. Os norte-americanos jamais foram informados de que o presidente Mosaddegh foi traído, isso sim, pela imagem tão falsamente idealista do que os EUA são hoje e já eram então. 

Os sírios expurgaram todos os políticos simpáticos aos EUA e executaram por traição os altos oficiais militares associados à tentativa de golpe. Em retaliação, os EUA moveram a VI Frota para o Mediterrâneo, ameaçaram guerra e tentaram empurrar a Turquia para que invadisse a Síria. 

Os turcos reuniram 50 mil soldados nas fronteiras com a Síria, mas logo recuaram diante da oposição unificada da Liga Árabe, cujos líderes estavam furiosos com a intervenção dos EUA. 

Mas mesmo depois de ter sido expulsa da Síria, a CIA continuou seus esforços secretos para derrubar o governo democraticamente eleito do partido Ba’ath. A CIA conspirou com o MI6 britânico, para formar uma "Comissão Síria Livre" e armou a Fraternidade Muçulmana para assassinar três funcionários do governo sírio que haviam ajudado a expor "a conspiração dos norte-americanos", nas palavras de Matthew Jones em The ‘Preferred Plan’: The Anglo-American Working Group Report on Covert Action in Síria, 1957

Os incontáveis crimes da CIA empurraram a Síria cada vez mais rapidamente para longe dos EUA e para prolongadas alianças com Rússia e Egito.

Depois da segunda tentativa de golpe na Síria, eclodiram manifestações anti-EUA por todo o Oriente Médio, do Líbano à Argélia. Uma dessas reverberações foi o golpe de 14/7/1958, liderado pela nova onda de oficiais de exército contrários aos EUA que derrubaram o monarca iraquiano pró-EUA, Nuri al-Said. Os líderes do golpe publicaram documentos secretos do governo que revelavam que Nuri al-Said era fantoche bem pago pela CIA. Em resposta à traição norte-americana, o novo governo iraquiano convidou diplomatas e assessores econômicos soviéticos para trabalharem no Iraque, e deu as costas ao ocidente.

Depois de perder fragorosamente o Iraque e a Síria, Kim Roosevelt fugiu do Oriente Médio para trabalhar como executivo da indústria do petróleo que ele tão bem servira durante sua carreira como funcionário público dos EUA naCIA. Roosevelt foi substituído na chefia da base da CIA por James Critchfield, que imediatamente planejou o assassinato (fracassado) do novo presidente do Iraque, usando um lenço embebido em veneno, segundo Weiner. Cinco anos depois, a CIA afinal conseguiu depois o presidente do Iraque e pôs no poder ali o Partido Ba’ath. Um jovem e carismático assassino, de nome Saddam Hussein foi um dos líderes mais poderosos da equipe Ba'athista daCIA. O secretário do Partido Ba’ath, Ali Saleh Sa'adi, que assumiu o poder ao lado de Saddam Hussein, diria mais tarde que "Chegamos ao poder, num trem da CIA", como se lê em A Brutal Friendship: The West and the Arab Elite[Amizade brutal: O ocidente e a elite árabe], do escritor e jornalista Said Aburish. Aburish narra que a CIA forneceu a Saddam e seus asseclas uma lista de pessoas a serem assassinadas, gente que "tinha de ser eliminada imediatamente, para garantir o sucesso." Tim Weiner escreve que Critchfield mais tarde reconheceu que a CIA na verdade, em essência, "fabricou Saddam Hussein." 

Durante os anos Reagan, a CIA deu a Hussein bilhões de dólares em treinamento, Forças Especiais, armas e inteligência de cenário de batalhas, sabendo que ele estava usando gás mostarda e gás de neurotóxico e armas biológicas – inclusive antraz fornecido pelo governo dos EUA – em sua guerra conta o Irã. 

Reagan e seu diretor da CIA, Bill Casey, viam Saddam como amigo potencial da indústria do petróleo dos EUA e barreira resistente contra a expansão da Revolução Islâmica do Irã. O emissário da dupla, Donald Rumsfeld, presenteou Saddam esporas de ouro e um cardápio variado de armas químicas/biológicas e convencionais, em viagem que fez a Bagdá em 1983. Ao mesmo tempo, a CIA fornecia ilegalmente ao inimigo de Saddam, o Irã, milhares de mísseis antitanques e antiaéreos para lutar contra o Iraque – crime que ganhou fama imorredoura no chamado escândalo do Irã-Contras. Jihadistas dos dois lados adiante usariam contra o povo norte-americano aquelas mesmas armas fornecidas pela CIA.

Mesmo hoje, com os EUA a contemplar mais uma intervenção ilegal e violenta contra o Oriente Médio, a maioria da população norte-americana não sabe praticamente coisa alguma sobre os vários modos de revide contra crimes cometidos lá pela CIA e que contribuíram para gerar a atual crise. As reverberações de décadas de crimes cometidos pela CIA ainda ecoam hoje pelo Oriente Médio, nas capitais e pelas mesquitas e madrass, em toda aquela paisagem de ruínas de democracia árabe e do Islã, que a CIA tanto trabalhou para arruinar. Mas essas histórias são bem conhecidas do povo sírio, que, evidentemente, interpreta qualquer conversa sobre intervenção norte-americana, no contexto dessa história passada.

Enquanto a mídia-empresa norte-americana servil papagueia a narrativa segundo a qual o apoio militar dos EUA a uma suposta 'insurgência' síria seria puramente humanitário, muitos árabes veem a atual crise como mais uma guerra pela propriedade de oleodutos e por interesses geopolíticos. Antes de mergulhar mais profundamente na conflagração, seria recomendável que os EUA considerássemos a abundância de fatos que garantem apoio sólido à posição dos sírios.

Na visão dos sírios, a guerra dos EUA contra Bashar Assad não começou nos protestos pacíficos da Primavera Árabe em 2011. Começou em 2000, quando o Qatar propôs a construção de um oleoduto de $10 bilhões e 1.500 km que atravessaria Arábia Saudita, Jordânia, Síria e Turquia. O Qatar divide com o Irã o campo South Pars/North Dome de gás natural, o maior do mundo. O embargo comercial imposto pelos EUA até recentemente impedia o Irã de vender gás [de fato, impede os outros países de comprar gás iraniano (NTs)]. Por sua vez, o gás do Qatar só pode alcançar mercados europeus se for liquefeito e embarcado em navios-tanques, via que limita o volume e aumenta dramaticamente os preços. O gasoduto proposto ligaria o Qatar diretamente aos mercados europeus de energia, mediante terminais de distribuição na Turquia, que embolsaria gordas taxas de trânsito. O gasoduto Qatar/Turquia daria aos reinos sunitas do Golfo Persa domínio decisivo sobre os mercados mundiais de gás natural e fortaleceria o Qatar, o mais próximo aliado dos EUA no mundo árabe. O Qatar hospeda duas gigantescas bases militares norte-americanas e o quartel-general do Comando Central dos EUA no Oriente Médio. (...) Nesse quadro, a monarquia saudita viu a ajuda que os EUA deram aos xiitas no Iraque – e, mais recentemente, o fim do embargo comercial contra o Irã – como uma redução de seu status de poder regional, e já está engajada em guerra 'por procuração' contra Teerã no Iêmen, agravada pelo genocídio saudita dos Houthis – apoiados pelo Irã. (...) 

Em 2009, Assad anunciou que não assinaria o acordo pelo qual o gasoduto poderia atravessar a Síria "para proteger os interesses de nosso aliado russo."

Depois, Assad enfureceu ainda mais os monarcas sunitas do Golfo, quando endossou a construção de um "gasoduto islâmico", apoiado pela Rússia, que partiria do lado iraniano do campo de gás natural, atravessaria a Síria e chegaria a portos no Líbano. Esse gasoduto islâmico faria do Irã xiita, não do Qatar sunita, o principal fornecedor de energia para o mercado europeu aumentaria dramaticamente a influência de Teerã no Oriente Médio e no mundo. 

Israel também estava (...) decidida a fazer gorar o gasoduto islâmico, que enriqueceria Irã e Síria, e fortaleceria os aliados deles, o Hezbollah e o Hamas. 

Telegramas e relatórios sigilosos assinados por agências de inteligência dos EUA, sauditas e israelenses indicam que, no momento em que Assad rejeitou o gasoduto do Qatar, os 'estrategistas' e planejadores de inteligência [e de golpes e assassinatos] logo firmaram entre eles o consenso segundo o qual fomentar um levante sunita na Síria, para derrubar o governo eleito mas pouco cooperativo de Bashar Assad, provavelmente levaria a alcançar o objetivo partilhado de completar o gasoduto Qatar/Turquia. 

Em 2009, segundo telegramas distribuídos por WikiLeaks, logo depois que Bashar Assad rejeitou o gasoduto do Qatar, a CIA começou a fornecer dinheiro a grupos de oposição na Síria. E é importante observar que isso aconteceu antes do suposto levante da chamada Primavera Árabe contra Assad. (...)

"Ninguém supunha que Bashar Assad algum dia fosse presidente" – disse-me o jornalista Seymour Hersh numa entrevista. – "O pai o trouxe de Londres, onde ele estudava Medicina, quando seu irmão mais velho, e sucessor do pai, morreu num acidente de carro." 

Antes do início da guerra, segundo Hersh, Assad trabalhava para liberalizar o país. "Tinham internet e jornais e caixas automáticos, e Assad tinha planos para se aproximar do ocidente. Depois do 11/9, entregou à CIA milhares de arquivos de informação inestimável sobre radicais jihadistas, que Assad sempre considerou inimigos comuns, da Síria e de todo o ocidente." O regime de Assad era deliberadamente secular, e a Síria era impressionantemente liberal e diversa. Por exemplo, 80% do governo e dos militares sírios eram sunitas. (...) Segundo Hersh, "Com certeza Assad não degolava gente às 4ªs-feiras, como fazem os sauditas, aliados dos EUA, em Meca." 

Outro veterano jornalista, Bob Parry, partilha essa avaliação. "No que tenha a ver com torturas, assassinatos em massa, supressão de liberdades civis e apoio ao terrorismo, Assad é muito melhor que os sauditas". Ninguém acreditava que o regime fosse vulnerável à anarquia [empurrada pelos EUA] que varreu o Egito, a Líbia, o Iêmen e a Tunísia. Na primavera de 2011, houve demonstrações pequenas e pacíficas em Damasco, contra o que seria a "repressão" pelo regime de Assad. Mas foram, sobretudo, ecos da Primavera Árabe que se espalhava viralmente pelos estados da Liga Árabe desde o verão anterior. Mas telegramas diplomáticos distribuídos por WikiLeaks indicam que a CIA já estava 'trabalhando' em solo sírio.

Os reinos sunitas, porém, com quantias descomunais de petrodólares em jogo, queriam que os EUA se envolvessem muito mais profundamente. 

Dia 4/9/2013, o secretário de Estado John Kerry disse em depoimento ao Congresso, que os reinos sunitas haviam proposto pagar a conta de uma invasão dos EUA à Síria, para derrubar Bashar Assad. "De fato, alguns deles disseram que, se os EUA pudessem fazer todo o serviço, como fizeram em outros locais [no Iraque], eles arcarão com os custos." Em resposta à Republicana Ileana Ros-Lehtinen (R-Fla.), Kerry reiterou: "Sobre os países árabes terem oferecido para pagar a conta [de uma invasão norte-americana para] derrubar Assad, a resposta é profundamente sim, sim, eles ofereceram. A oferta continua sobre a mesa." 

Apesar da pressão de Republicanos, Barack Obama rejeitou o papel de contratar jovens norte-americanos para morrerem como mercenários defendendo uma grande empresa de petróleo e gás e seus dutos. Inteligentemente, Obama ignorou o clamor dos Republicanos para que pusesse coturnos norte-americanos em solo na Síria ou para que mandasse mais dinheiro para "insurgentes moderados". Mas no final de 2011, pressão dos Republicanos e dos aliados sunitas, empurraram, sim, o governo dos EUA para dentro da frigideira.

Em 2011, os EUA uniram-se a França, Qatar, Arábia Saudita, Turquia e Reino Unido, para constituir a chamada "Coalizão dos Amigos da Síria" a qual passou a exigir formalmente a derrubada de Assad. A CIA pagou $6 milhões ao canal Barada, da TV britânica, para produzir peças de propaganda a favor da saída de Assad. Documentos da inteligência saudita, publicados por WikiLeaks, mostram que, em 2012, Turquia, Qatar e Arábia Saudita já estavam armando, treinando e pagando combatentes sunitas jihadistas radicais da Síria, Iraque e de onde aparecessem, para derrubarem o regime de Assad aliado de xiitas. O Qatar, que mais teria a ganhar, investiu $3 bilhões para construir a insurgência, e convidou o Pentágono para que treinasse 'insurgentes' nas bases dos EUA no Qatar. Conforme artigo de abril de 2014 de Seymour Hersh, as linhas de rato de armas da CIA eram pagas por Turquia, Arábia Saudita e Qatar.

A ideia de fomentar uma guerra civil sunitas-xiitas para enfraquecer os regimes sírio e iraniano e assim manter o controle do suprimento de petroquímicos na região não é novidade no léxico do Pentágono. 

Um muito danoso relatório de 2008, da Rand Corporation, organização mantida pelo Pentágono, propunha já um preciso esboço do que estava por vir. Aquele relatório observa que o controle sobre os depósitos de petróleo e gás do Golfo Persa continua a ser, para os EUA, "prioridade estratégica" que "interagirá fortemente com o prosseguimento da guerra longa." Rand recomendou que usassem "ação clandestina, operações de informação, guerra não convencional", para implantar uma estratégia de "dividir para governar". 

"EUA e seus aliados locais podem usar jihadistas nacionalistas para lançar campanha à distância", e "líderes norte-americanos podem também capitalizar a seu favor uma trajetória a ser sustentada para o conflito xiitas-sunitas, assumindo o lado dos regimes sunitas conservadores, contra o empoderamento de movimentos xiitas no mundo muçulmano (...) possivelmente apoiando governos sunitas autoritários contra um Irã continuadamente hostil." (...)

O quadro que a mídia-empresa ocidental pintou, de um Exército Sírio Livre constituído de batalhões coesos de moderados sírios jamais passou de fantasia, delírio e mentiras. As unidades esfaceladas reagruparam-se em centenas de milícias independentes, a maioria das quais comandadas por, ou aliadas a militantes jihadistas, mais comprometidos e combatentes mais efetivos. Àquela altura, os exércitos sunitas da Al Qaeda no Iraque já cruzavam a fronteira do Iraque para a Síria, unindo forças com esquadrões de desertores do Exército Sírio Livre, muitos dos quais treinados e armados nos EUA.

Apesar de a mídia-empresa ocidental pintar sempre um levante 'moderado' contra o 'tirano' Assad, os 'estrategistas' norte-americanos sempre souberam, desde o início, que os agentes que trabalhavam a favor dos oleodutos e gasodutos nada tinham de moderados; que eram jihadistas radicais, que provavelmente inventariam para eles algum califato novo em folha, nas regiões sunitas de Síria e Iraque. 

Dois anos antes de os degoladores alistados no ISIL aparecerem no palco ocidental, um estudo datado de 12/8/2012, de sete páginas, feito pela Agência de Inteligência da Defesa dos EUA, e que o grupo de direita Judicial Watch recebeu, alertava que, por causa do apoio continuado que a Coalisão EUA-sunitas ainda dava a jihadistas sunitas radicais, "os salafistas, a Fraternidade Muçulmana e a Al-Qaeda no Iraque (hoje chamada "Estado Islâmico", ing.ISIS), são atualmente os principais grupos que comandam a insurgência na Síria."

Usando dinheiro dos EUA e do Golfo, esses grupos direcionaram o que alguma dia talvez tenham sido protestos pacíficos contra Bashar Assad, "para direção claramente sectária [xiitas vs sunitas]."

O mesmo estudo observa que o conflito havia sido transformado numa guerra civil apoiada por "potências religiosas e políticas sunitas"; e pinta o conflito sírio como guerra global pelo controle dos recursos da região, "com o ocidente, os países do Golfo e a Turquia apoiando a oposição contra Assad, e Rússia, China e Irã apoiando o regime." 

Os autores no Pentágono, do estudo de sete páginas, parecem endossar o advento 'previsto' do 'califato' que o ISIScriaria: "Se a situação se resolver [orig. unravels], é possível que se estabeleça um principado salafista no leste da Síria (Hasaka e Der Zor), o que, exatamente, desejam as potências que apoiam a oposição, para assim isolarem o regime sírio." O estudo do Pentágono alerta que esse novo 'principado' poderia mover-se ao longo da fronteira iraquiana até Mosul e Ramadi e "declarar um estado islâmico, depois de ter-se único a outras organizações terroristas no Iraque e na Síria."

Claro: foi precisamente o que aconteceu. Não por coincidência, as regiões da Síria ocupadas pelo Estado Islâmico englobam precisamente a rota proposta para o gasoduto qatari.

Mas então, em 2014, nossos 'agentes locais' sunitas horrorizaram o povo dos EUA ao cortarem cabeças e empurrar um milhão de refugiados na direção da Europa. "Estrategistas baseados na ideia segundo a qual o inimigo do meu inimigo é meu amigo parecem ter piscado" – diz Tim Clemente, que presidiu a Força-tarefa Conjunta Antiterrorismo, do FBI, de 2004 a 2008 e operou como elo de ligação no Iraque entre o FBI, a Polícia Nacional Iraquiana e os militares norte-americanos. "Cometemos outra vez o mesmo erro de quando treinamos os mujahideen no Afeganistão. No momento em que os russos saíram, nossos supostos amigos puseram-se a destruir antiguidades, a escravizar mulheres, a cortar pescoços, braços e pernas e a atirar contra nós" – disse-me Clemente, em entrevista.

Quando o "Jihadi John" do Estado Islâmico pôs-se a executar prisioneiros diante de câmeras de TV, a Casa Branca 'pivoteou', passando a falar menos de depor Assad e mais sobre estabilidade regional. O governo Obama começou a tentar divorciar-se da 'insurgência' que nós sempre financiamos. A Casa Branca pôs-se a acusar aliados nossos. Dia 3/10/2014, o vice-presidente Joe Biden disse a estudantes no Fórum John F. Kennedy Jr., no Instituto de Política em Harvard, que "nossos aliados na região são nosso principal problema na Síria." 

Biden explicou que Turquia, Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos estavam "tão decididos e determinados a derrubar Assad" que teriam lançado uma "guerra sunita-xiita à distância", encaminhando "centenas de milhões de dólares e dezenas de milhares de toneladas de armas, para qualquer um que diga que combate contra Assad. Problema, aí, é que quem estava recebendo aquela ajuda eram al-Nusra e al-Qaeda" – os dois grupos que se fundiram em 2014 para constituir o Estado Islâmico. Biden parecia furioso por nossos "amigos" não merecerem qualquer confiança se se tratasse de obedecer à agenda dos EUA.

Por todo o Oriente Médio, líderes árabes frequentemente acusam os EUA de terem criado o Estado Islâmico. Para a maioria dos norte-americanos acusações desse tipo parecem insanas. 

Mas, para muitos árabes, há tal abundância de provas do envolvimento dos EUA, que é quase impossível não concluir que é possível que os EUA tenhamos trabalhado deliberadamente para criar o Estado Islâmico.

De fato, muitos dos combatentes do Estado Islâmico e seus comandantes são sucessores, em termos ideológicos e organizacionais, dos jihadistas que a CIA alimentou por mais de 30 anos, da Síria e Egito, ao Afeganistão e Iraque.

Antes da invasão norte-americana, não havia Al-Qaeda no Iraque de Saddam Hussein. O presidente George W. Bush destruiu o governo secularista de Saddam; e o vice-rei de Bush, Paul Bremer, no que se mostrou desastre monumental de gestão, efetivamente criou o Exército Sunita, agora batizado de "Estado Islâmico".

Foi Bremer quem elevou os xiitas ao poder e baniu do poder o Partido Ba’ath, condenando ao desemprego cerca de 700 mil funcionários do governo e do partido – de ministros a professores de escola –, a maioria dos quais sunitas. Na sequência, desmobilizou o exército de 380 mil homens, 80% dos quais, sunitas. Essas ações de Bremer despojaram um milhão de sunitas iraquianos do próprio lugar social, de suas propriedades, riqueza e poder; criou assim uma subclasse desesperada, de sunitas furiosos, educados, capazes, treinados e pesadamente armados, com bem pouco a perder. Essa insurgência sunita se autodenominou Al-Qaeda no Iraque. 

Começando em 2011, nossos aliados financiaram a invasão, por combatentes dessa AQI, contra a Síria. Em abril de 2013, depois de já estar na Síria, a AQI mudou o próprio nome para Estado Islâmico no Iraque e Levante (ing.) ISIL. Segundo Dexter Filkins da revista New Yorker, "O ISIS é comandado por um conselho de ex-generais do exército iraquiano (...) Muitos são membros do partido secular de Saddam Hussein, o Partido Ba’ath, convertidos ao Islã radical nas prisões norte-americanas." Os $500 milhões em ajuda militar norte-americana que Obama, sim, mandou para a 'oposição' síria, com certeza acabou nas mãos desses jihadistas militantes. Tim Clemente, da Força-tarefa Conjunta Antiterrorismo do FBI, contou-me que a diferença entre os conflitos iraquiano e sírio são os milhões de homens em idade de serviço militar que fogem dos campos de batalha para a Europa, em vez de ficar e lutar para defender as próprias cidades e comunidades. Explicação óbvia para isso é que os moderados na nação estão fugindo de uma guerra que não é deles. (...) Os EUA não deixaram qualquer alternativa de futuro que interesse aos sírios moderados. E evidentemente ninguém está disposto a morrer por um gasoduto.

* * *

O que restou disso tudo? Se o objetivo dos EUA for paz duradoura no Oriente Médio, autonomia e autogoverno para as nações árabes e vida segura também para nós, cidadãos norte-americanos dentro dos EUA, qualquer nova intervenção da qual se cogite naquela região terá de considerar a história e manifestar desejo intenso de aprender com os nossos próprios erros. 

Só quando os norte-americanos compreenderam o contexto histórico e político desse conflito saberemos examinar devidamente e julgar corretamente as ações de nossos governantes. 

Ao usar as mesmas imagens e a mesma linguagem que inspiraram a guerra de 2003 que os EUA movemos contra Saddam Hussein, nossos líderes políticos induziram os cidadãos norte-americanos a crer que o que nunca passaria de agressão violenta e ilegal contra a Síria, seria alguma guerra idealistas contra algum tirano, terroristas e fanatismos religiosos. 

Tendemos a descartar como viciosa, errada, pervertida, a visão que têm os povos árabes – para os quais a crise atual não passa de reencenação dos mesmos golpes e conspirações em torno de gasodutos, oleodutos e geopolítica. Mas, se realmente nos interessa construir política externa efetiva, os norte-americanos temos de reconhecer que o conflito que se trava na Síria absolutamente não é diferente de outras incontáveis guerras clandestinas ou não declaradas, que há 65 anos os EUA promovemos no Oriente Médio. E só quando os norte-americanos conseguirmos ver o conflito sírio como agressão não provocada – pelos EUA e aliados – contra país soberano, e mais um capítulo da guerra do petróleo – que é guerra norte-americana, não árabe –, os eventos se tornarão afinal compreensíveis. 

Esse é o único paradigma que explica por que os Republicanos mais conservadores no Capitólio, e também o governo Obama suposto democrático mantêm-se todos obcecados com mudança de regime, não com a estabilidade regional; por que o governo Obama já não encontra 'moderados' sírios que lutem lá; (...), por que os sauditas executaram um prestigiado clérigo xiita, exclusivamente para que a embaixada saudita fosse incendiada em Teerã; (...) e por que a Turquia cometeu o ato de mais rematada loucura, de derrubar um jato russo. O milhão de refugiados que inundam a Europa são refugiados de uma guerra por um gasoduto, complicada ainda mais pela intervenção violenta e incompetente da CIA.

Para Clemente (...), "Deve-se pensar no ISIS como um cartel de petróleo" – diz ele. – "No final das contas, o argumento que tudo explica é o dinheiro. A ideologia religiosa entra como ferramenta manobrada pelos 'estrategistas' para induzir combatentes a darem a vida por um cartel de petróleo." 

(...) Assim como sírios que fogem para a Europa, nenhum norte-americano quer mandar os próprios filhos para morrerem por um gasoduto. Em vez de mais guerra, nossa prioridade absoluta deve ser precisamente aquela da qual nenhuma autoridade fala, nenhum jornal 'repercute', nenhum 'analista' de TV expõe: temos de mandar passear os poços de petróleo nossos 'aliados'; é objetivo cada dia mais realizável, com os EUA aproximando-se da independência energética. Em seguida, temos de reduzir dramaticamente nossa presença militar no Oriente Médio e deixar que os árabes governem seus próprios países. (...) Por mais que os fatos provem que os EUA tivemos papel decisivo para criar a crise, a história prova que temos praticamente poder nenhum para resolvê-la.

Se se considera a história, é doloroso ver a espantosa evidência de que praticamente todas as intervenções violentas no Oriente Médio desde a 2ª Guerra Mundial, pelos EUA, resultaram em fracasso miserável e em revide que custou sempre horrorosamente caro para nós mesmos. 

Relatório de 1997 do Departamento de Defesa dos EUA descobriu que "os dados mostram forte correlação entre o envolvimento dos EUA longe de casa e o aumento no número de ataques terroristas contra os EUA." É preciso reconhecer: o que chamamos de "guerra ao terror" nunca foi outra coisa além de mais uma guerra de petróleo. Desperdiçamos $6 trilhões em três guerras longe de casa e para construir um estado policial aqui mesmo, desde que Dick Cheney – homem das petroleiras – declarou a "Guerra Longa", em 2001. Os únicos vencedores são as indústrias que fornecem para os militares; as empresas de petróleo, que embolsaram lucros históricos; as agências de 'inteligência', que viram o próprio poder e influência aumentarem exponencialmente, em detrimento das liberdades dos cidadãos dos EUA; e os jihadistas, que invariavelmente se serviram das intervenções norte-americanas como sua mais eficaz ferramenta de recrutamento. Comprometemos nossos valores, mandamos para a morte nossos próprios jovens, matamos centenas de milhares de inocentes, traímos o nosso próprio idealismo e desperdiçamos a poupança de nossos cidadãos em aventuras ensandecidas, caríssimas e infrutíferas em terras distantes. No processo, ajudamos nossos piores inimigos e convertemos os EUA, que uma vez foi farol da liberdade para o mundo, em estado de vigilância e pária moral internacional.

Os pais fundadores dos EUA alertaram os EUA contra manter exércitos gigantes, contra imiscuir-se em questões de outros povos e, nas palavra de John Quincy Adams, contra "partir para terras distantes à caça de monstros para matar". 

Aqueles homens de saber compreenderam que o imperialismo em outros países é incompatível com democracia e direitos civis respeitados em casa. A Carta do Atlântico ecoou o ideal seminal norte-americano, de que todos os países devem ter direito à autodeterminação. 

Ao longo das últimas sete décadas, os irmãos Dulles, a gangue de Cheney, os neoconservadores e a turma deles, todos esses sequestraram aquele princípio fundamental do idealismo norte-americano e serviram-se de nossos aparelhos militar e de inteligência para servir aos interesses mercantis de grandes corporações e especialmente das empresas de petróleo e grandes fornecedores da Defesa, que fizeram daqueles conflitos completas carnificinas.

É mais que hora de os norte-americanos dirigirem os EUA em direção oposta à desse neoimperialismo, de volta à trilha do idealismo e da democracia. Que os árabes governem a Arábia, que nossas energias se voltem à grande tarefa de construir nossa nação. Temos de iniciar esse processo, não por invadir a Síria, mas por interromper o ruinoso vício do petróleo, que desgraça a política externa dos EUA por meio século.*****




[1] "Imperialism—The Enemy of Freedom" [Imperialismo – Inimigo da Liberdade].

Um comentário:

Roberto Machado Cassucci Cassucci disse...

Olá! Boa noite a todos... Incrível, como um autêntico ¨Libelo¨ como esta Crônica de Robert F. Kennedy Jr., não reverberou na mídia (imprensa/empresa) estadunidense...
Da mesma forma, vergonhosa e fragorosamente ignorada pela ¨nossa¨ mídia nacional, tão pouco á veremos Ecoar, Repercutir por ¨estas bandas¨, onde a Verdade, virou Tabu, e não pode ser expressada aberta e livremente...
Tanto ¨aqui¨ como ¨lá¨, as partes das populações que se pautam, se norteiam, única, sega e estupidamente, pela ¨ImprensTITUTA Corporativista¨, ainda PIOR que Desconhecer as VERDADES, servem de/como massa-de-manobra á Sustentarem Golpistas Descarados e os seus Mesquinhos e Inconfessáveis Interesses...