terça-feira, 13 de setembro de 2016

Polidez e clareza: Putin e a estupidez 'ocidental'

8/9/2016, Vladimir Putin, Entrevista (excerto) in Paul Craig Roberts Blog


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu


Em entrevista a John Micklethwait, de Bloomberg Businessweek – e jornalista-chefe do Grupo Bilderberg – , Putin foi interrogado sobre um pressuposto desejo da Rússia, de expandir geograficamente a própria influência. Putin respondeu como segue:

"Entendo que para todas as pessoas capazes de pensar com sobriedade e que estejam realmente envolvidas em política séria, a idea de que haveria alguma 'ameaça' russa, por exemplo, contra os países do Báltico, é completa loucura. Estaríamos realmente dedicados a combater contra a OTAN? Quantos habitantes tem a OTAN? Cerca de 600 milhões? Na Rússia, somos 146 milhões. Sim, somos a maior potência nuclear. Mas o senhor realmente crê que trabalhamos para conquistar os países do Bálticos com armas atômicas? Que loucura é essa?! Esse é o primeiro ponto, mas absolutamente não é o principal.
"O ponto principal é algo completamente diferente. Os russos temos uma experiência política riquíssima, que nos convence muito profundamente de que ninguém consegue fazer coisa alguma contra a vontade do povo. Nada. É impossível fazer seja o que for, contra a vontade do povo. Mas parece que alguns dos nossos parceiros não compreendem essa verdade histórica simples. Quando falam da Crimeia, fazem de tudo para não ver que a vontade do povo que vive na Crimeia – 70% dos quais são russos étnicos; para todos os demais a língua nativa é o russo – foi consultada e respeitada: o povo da Crimeia desejava ser reintegrado à Rússia. Há gente no ocidente que faz de tudo, no esforço para não ver isso.
"Só num ponto, no Kosovo, o ocidente fala em desejo do povo. Mas na Crimeia, nunca. É um jogo político. Seja como for, e para tranquilizá-lo, posso dizer que a Rússia sempre trabalhou e planeja continuar trabalhando na direção de política externa absolutamente pacífica, dirigida para a cooperação.
"No que tenha a ver com expandir geograficamente nossa zona de influência... Viajei nove horas de Moscou a Vladivostok. É praticamente a mesma distância entre Moscou e New York, cruzando Europa Ocidental, Europa Oriental e o Oceano Atlântico, sem sair de território russo. O senhor acha que precisamos expandir geograficamente o quê?" 

3 comentários:

silvio marcus barroso salgado disse...

INVEJÁVEL Senhor PUTIN! Parabéns pela décima milésima vez! Coitado do Pentágono, que desastre, hein!

williejunior disse...

Mestre Putin!

Anônimo disse...

Mais uma cavalgadura da mídia quadrilheira ocidental que vai entrevistar Putin como se ele fosse mais um leitor do uochinton bosta ou do niuiorquetaimas.