sexta-feira, 27 de julho de 2018

Guerra dos EUA ao Irã: informe importante, por Pepe Escobar

27.07.2018, Pepe Escobar - Facebook





"Deixem-me dar um conselhinho aos meus amigos norte-americanos: 
a última coisa que vocês devem querer na vida é arrumar briga com ESSE cara" (Pepe Escobar, Facebook)

Teerã nega que os houthis tenham atacado navios petroleiros: só jatos de guerra sauditas. Está absolutamente correto. Confirmei com três fontes diferentes. Os palhaços da CIA no instituto Stratfor – ah, sim, sou obrigado a ler, por motivos profissionais, uma montanha de porcaria – estão dizendo que o ataque justifica ação internacional. Loucura. Os iranianos estão certos: foi encenação.

O cólera alastra-se pelo Iêmen como fogo em mato seco, com mais de um milhão de doentes; desastre humanitário de proporções absolutamente monumentais. O OCIDENTE ÉTICO DO BEM NÃO DÁ NEM BOLA. Tem de proteger MBS, seu fantoche.

Há consenso em todo o Irã: se o JCPOA [acordo nuclear iraniano] não se mantém, e os europeus destituídos de espinha dorsal acabarem por boicotar as exportações de petróleo do Irã, podemos esperar um choque do petróleo semelhante ao de 1973 – de fato pior, muito pior.

E há também o caso do sinuoso mercado negro de armas atômicas. Conversei com alguns pesos pesados no Golfo Persa.

O mercado nasceu em 1991, quando oligarcas russos começaram a vender mísseis nucleares do estoque da URSS. Circulava em Moscou uma lista de preços para Armas de Destruição em Massa nucleares, biológicas e químicas. O chefe da CIA em Moscou à época não quis comprar.

O Irã não tem armas nucleares. Mas o Corpo de Guardas Revolucionários do Irã [ing. IRGC] pode obtê-las num piscar de olhos, se quiserem. Essa foi a mensagem chave ocultada nas entrelinhas da fala de Soleimani – comento isso em minha coluna que deve sair esse sábado pela manhã na Ásia [traduzida no Blog do Alok].

É impossível provar, mas circula por todos os círculos de inteligência que o Paquistão vendeu dessas armas aos sauditas; imaginem desertos semeados de silos de mísseis nucleares. A Coreia do Norte também vendeu dessas armas no mercado negro. Recentemente a Ucrânia vendeu projetos da bomba H e os Mísseis Balísticos Intercontinentais que os soviéticos tinham. No mercado negro, o dinheiro MANDA.

Atualização!

NOW DANCE ON MY LAP, BABE

Uma última palavra sobre a fala do major-general Qassem Soleimani dirigida a Trump. Depois de recapitular todas as guerras recentes nas quais o Excepcionalistão foi miseravelmente DERROTADO, o general NÃO ameaçou atacar os EUA – como os suspeitos de sempre estão 'noticiando' incansavelmente. 

O general Soleimani disse que, se o Irã for atacado, o revide dos guerrilheiros será arrasador. Mattis ENTENDEU MUITO BEM a mensagem.
________________________________

Guerra dos EUA ao Irã: ATUALIZAÇÃO 
30/7/2018, Pepe Escobar, Facebook

Andei discutindo o Irã com alguns importantes analistas independentes especialistas, nos EUA e na Rússia. Aqui o sumo.

Em teoria, os EUA quereriam "apenas" mudar "o comportamento" do Irã no Oriente Médio, sem "mudança de regime". É o que Mattis anda dizendo. Bobagem. Pura tática diversionista.

Washington trabalha a todo o vapor para montar uma "OTAN árabe" que envolveria seis fantoches do Conselho de Cooperação do Golfo, Egito e Jordânia para "conter" o Irã. A coisa – chamada "Aliança Estratégica do Oriente Médio" – deve ser oficializada em reunião de cúpula marcada para Washington em meados de outubro.

Se se chegar ao ponto de o Estreito de Ormuz ser fechado em novembro próximo, não há dúvida que o Irã comprará mísseis nucleares, sem piscar, no mercado negro. Falo disso na minha coluna do sábado pela manhã em Asia Times [traduzida no Blog do Alok].

O 'assunto' mais falado, de que a CIA ameaçou atacar instalações nucleares do Irã, é simplesmente patético: a CIA não sabe sequer onde estão essas instalações.

A Rússia tem de riscar sem demora a linha vermelha intransponível, para guerra contra o Irã. Afinal, Moscou sabe que, depois do Irã, o complexo industrial-militar-de inteligência-financeiro partirá à caça da Rússia, excluindo Moscou dos dois sistemas, CHIPS[1] e SWIFT.

O Kremlin gosta de Trump – mas sabe que Trump nada pode fazer. Rússia, China e Irã podem desenvolver em breve uma frente unida mais profunda – tipo alianças militares. A Rússia tem os mísseis de ataque e de defesa mais avançados do mundo; e os submarinos mais avançados para rastrear todos os mares. É doido, hoje, qualquer um/uma no Pentágono que creia que os EUA possam sair vitoriosos no cenário real.

Roosevelt fez ao Japão o mesmo que os EUA estão agora fazendo ao Irã. Washington expôs as condições da rendição, depois de cortar o petróleo para o Japão; nenhuma nação no mundo aceitaria tal humilhação. Naquele momento, os EUA queriam guerra. 

A questão hoje é saber se o Front Pró-guerra está realmente coeso e unido.*******




[1] BIC (ou SWIFT)

O Bank Identifier Code (BIC) (Código Identificador de Bancos (às vezes chamado SWIFT) contém informações sobre país, banco e ramo recebedor de valores enviados entre países. É um código de números e letras, com de oito a 11 dígitos.

A sigla SWIFT designa o sistema mundial de telecomunicações para compensações interbancárias desenvolvido pela Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication, na Bélgica. O sistema visa a facilitar a troca global entre instituições financeiras, e envia e recebe informações sobre transações financeiras de modo padronizado, confiável e seguro [NTs, com informações de CompareRemit].


Original em inglês:

Tehran denies that the Houthis attacked any oil tankers; only Saudi warships. That’s absolutely correct. I confirmed it with three different sources. CIA Stratfor clowns – yes, I do need to read a lot of crap for professional reasons – are saying this attack is a justification for international action. Nonsense. The Iranians are right; it was a setup.

Cholera is spreading all over Yemen like wildfire with over a million people afflicted; a humanitarian disaster of absolutely monumental proportions. THE BENIGN WEST DOES NOT GIVE A DAMN. Gotta protect their puppet/patsy MBS.

It’s a consensus all across Iran; if the JCPOA does not hold, and the spineless Europeans end up boycotting Iranian oil exports, then we can expect an oil shock just like 1973 – in fact worse, much worse.

Then there’s the tricky black market in nuclear weapons. I’ve been discussing it with some heavy hitters in the Persian Gulf.


The market came to life in 1991 when Russian oligarchs started selling nuclear missiles from the Soviet stock. There was a price sheet shopped around Moscow for nuclear, biological, and chemical WMDs. The CIA station chief in Moscow at the time declined to buy them.

Iran does not have nuclear weapons. But the IRGC could have them in a flash if they wanted to. That was one of the key hidden messages in Soleimani’s address – I allude to it in my column, which should be out this Saturday morning in Asia.

It’s impossible to prove it, but common currency in intel circles is that Pakistan sold them to the Saudis; talk about deserts full of silos with nuclear missiles. North Korea also sold them in the black market. Ukraine recently sold blueprints for the Soviet H-bomb and the ICBMs they had. Money RULES the back market.



NOW DANCE ON MY LAP, BABE

A last word on Maj Gen Qassem Soleimani’s address to Trump. After a recap of all the recent wars that Exceptionalistan miserably LOST, he did NOT threaten to attack the US – as the usual suspects are spinning. He stressed that if Iran was attacked, guerrilla warfare blowback will be a bitch. Mattis DID get the message.


6 comentários:

Brunno Barbosa disse...

Ue cade a tradução?rss

Anônimo disse...

Olá Dario. Tudo bem? Seguinte, meu nome e Leonardo, eu trabalho com traduções do inglês para o português. Desde 2015 eu acompanho o seu blog. Antes eu lia o blog do rede castor (desde 2011). Amo história e geopolítica. Se vc quiser, posso traduzir alguns artigos para vc, do inglês para o português. Sem custos. Só pelo prazer de traduzir e colaborar com o blog. O pessoal do Vila vudu faz um ótimo trabalho, mas existem muitos artigos pra ser traduzidos. Eu acompanho vários dos sites gringos sobre geopolítica. Especialmente o site do saker.

Anônimo disse...

Inclusive ja traduzi este artigo sobre a guerra entre Irã e EUA. Posso mandar o texto traduzido. Se tiver interesse, entre em contato. Terei muito prazer em ajudar com seu blog, que para mim se transformou num vício diário de leitura. Abraços

Pedro Henrique Passos disse...

Manda bala Anônimo! Vou amar!

Anônimo disse...

Aqui é língua Portuguesa pow!!

Maria disse...

Olá Dario: leio este blog desde o início, antes Rede castor. Através do seu blog entro em contacto com o que vai pelo mundo, porque embora leia espanhol e francês, tenho horror de inglês. Você sabe que os tradutores da internet só em último caso.
O Blog do Alok é meu jornal internacional e só não comento porque acho que comentários devem ser coisas pensadas que sempre somem ao que está sendo publicado, e faço isso em outro blog, tanto quanto o seu de grande importância na internet.Compreendo a urgência da difusão deste artigo divulgado em inglês, ainda mais que escrito pelo nosso Pepe Escobar. Mas, por favor não deixe de repubica-lo em português. Grande abraço